Header Ads

Seleção olímpica de futebol feminino estreia hoje na Rio 2016

Uma comprovação do machismo brasileiro é o elenco ser composto por jogadoras que não atuam em nenhum clube nacional


A festa de abertura oficial dos jogos olímpicos 2016 acontece na sexta-feira, mas o futebol já tem início nesta quarta a partir das 13h do horário de Brasília. A seleção olímpica estreia às 16h, contra a China, em busca do ouro inédito.

É fato que, no Brasil, o futebol feminino enfrenta diariamente as dificuldades impostas pelo machismo, e uma comprovação desta triste realidade é o elenco ser composto por jogadoras que não atuam em nenhum clube brasileiro. Mesmo assim, a seleção é motivo de orgulho para os verdadeiros amantes do futebol: o país bateu na trave duas vezes - nas olimpíadas de 2004, em Atenas, e 2008, em Pequim - perdendo ambas as competições para o EUA, time considerado o melhor do mundo. Agora na Rio 2016, com o embalo da torcida a favor e o fato de jogar em casa, as meninas vão em busca da tão sonhada medalha de ouro para o futebol feminino - fato que nem o masculino, que conta com muito mais incentivo e estrutura, conseguiu. Às 16h desta quarta-feira, o Brasil entra em campo no seu primeiro compromisso na competição, contra a seleção chinesa, válido pelo grupo E, que conta, também, com Suécia e África do Sul.

Jogo: Brasil x China
Local: Rio de Janeiro. Estádio Engenhão
Horário: 16h
Grupo E
Provável escalação: Bárbara. Fabiana, Rafaelle, Mônica e Tamires. Thaísa, Formiga, Andressa Alves e Marta. Cristiane e Beatriz.


A criação da Seleção Permanente em busca do lugar mais alto do pódio

Para fazer bonito na competição, a  seleção montou um projeto chamado de "Seleção Permanente" em 2015. A estratégia consiste na contratação de jogadoras em tempo integral para total dedicação ao time Brasil, com exceção de jogadoras com contratos por outros clubes estrangeiros, como a craque Marta, que atua no FC Rosengard, na Suécia. Comandadas pelo técnico Vadão, 30 jogadoras treinaram durante dois anos com toda estrutura necessária: campos de futebol, academia, alojamento, refeitório e grupos médicos, contando com psicólogos e fisioterapeutas. As atletas se instalaram no centro de treinamento da CBF, em Teresópolis, e em Itu. Sem dúvidas, o projeto, além de visar ao ouro olímpico, tem como objetivo, também, impulsionar o futebol feminino no país, providenciando - até que enfim - o mínimo de estrutura decente para proporcionar oportunidades às jogadoras e aos clubes um terreno firme para competições nacionais cada vez mais qualificadas.

"Aconteceu que neste período de dois anos tivemos um projeto para tentar fazer algo diferente. Pegaram um grupo de 30 meninas e falaram que trabalharíamos com elas para alcançar o objetivo. Acho que o balanço foi positivo" disse Marta em entrevista ao Sportv

O Brasil conta com a experiência de Formiga, a poderosa finalização de Cristiane, o desequilíbrio técnico da maior artilheira da seleção - Marta, fato este que superou Pelé - e o entrosamento tático de um grupo jovem, bem treinado e que joga junto há 2 anos, determinado a buscar o merecido ouro olímpico e orgulhar toda a nação brasileira, apesar de todas as dificuldades enfrentadas. Vai, Brasil!