Header Ads

Protesto de jogadores da NFL contra o racismo ganha força

Juntaram-se a Kaepernick vários jogadores da NFL de franquias como Denver Broncos, Miami Dolphins e Seattle Seahawks


Collin Kaepernick, número 7 ao centro, ajoelhado na execução do hino do Estados Unidos

Em jogo da pré-temporada da NFL, Collin Kaepernick, quarterback do San Francisco 49ers, recusou-se a levantar durante a execução do hino nacional americano e decretou: "Não vou me levantar e mostrar orgulho à bandeira de um país que oprime os negros e 'pessoas de cor'. Para mim, isso é maior que o futebol americano e seria egoísmo ver de outra maneira". Em um país onde há, em aberturas de jogos do esporte mais popular americano,  força aérea, fogos de artifícios e ainda a bandeira nacional estendida pelo campo todo, a atitude de Kaepernick é, no mínimo, um ato de coragem. Um ato contra o genocídio da população negra, contra o patriotismo branco e excludente, contra políticos como Donald Trump e contra o ode à polícia que mata por cor. 

Juntaram-se a Kaepernick vários jogadores da NFL de franquias como Denver Broncos, Miami Dolphins e Seattle Seahawks. Jogadores dos times Tennesse Titans e New England Patriots, inclusive, ergueram o braço direito com o punho cerrado simbolizando os Panteras Negras - eterno movimento americano em luta contra o racismo -, em analogia ao maior protesto visto em uma Olimpíada, em 1968 no México, pelos velocistas negros americanos Tommie Smith e John Carlos.

Marcus Peter, cornerback do Kansas City Chiefs, ergue o braço com o punho cerrado em alusão aos Panteras negras
Não tardou a resposta reacionária, e figuras como o próprio Donald Trump se manifestaram contra o protesto do jogador. Martin Holloram, presidente da associação dos policiais de São Francisco, exigiu da franquia e da NFL um pedido oficial de desculpas e  o afastamento do quarterback devido à declaração do atleta de que a "polícia está recebendo licença remunerada para matar pessoas."

Embora a tensão racial no EUA seja movida por ataques conservadoras, há muita luta e resistência da população negra, resistência esta que vem também de atletas do futebol.