Header Ads

O romance de não ficção de Truman Capote

Capote utilizou-se da linguagem da literatura e das ferramentas do jornalismo para retratar fragmentos da realidade americana da época

Por Paula Berlim, Brasil
14 de Janeiro de 2017 

Foto: Moscot
Truman Capote é um dos precursores do chamado Jornalismo literário ou, como ele mesmo dizia, romance de não ficção. Sua obra prima, "A Sangue Frio", é uma clássica representação deste gênero literário que aproxima literatura do jornalismo. Capote retratará o chocante assassinato da tradicional família Clutter, de Kansas, em novembro de 1959, de forma a parecer ficção, utilizando-se da linguagem conotativa literária, mas baseando-se na intensa apuração jornalística, em que passou mais de um ano no local estudando as várias tonalidades do ocorrido. Para isso, Capote entrevista todos os moradores da pequena cidade de Holcomb, no Kansas: policiais, investigadores e, inclusive, os assassinos Perry Smith e Dick Hickcock. 

Ao longo de 422 páginas, Capote descreve minuciosamente cada detalhe por ele anotado e captado através de entrevistas e pesquisas. No começo do livro, o autor descreve, inclusive, os passos e a movimentação de Herbert William Cutler, o chefe da família Cutler, no dia em que foi assassinado. Narrador onisciente em terceira pessoa, o livro dá detalhes do plano armado pelos assassinos, o trajeto de fuga e a vida dos criminosos desde suas infâncias. Capote conquistou a extrema confiança de Perry e Dick a ponto de criarem amizade e confidência entre eles. É interessante notar que, em "A Sangue Frio", é possível conhecer os assassinos para além do crime, isto é, Capote apresenta-os como seres humanos dando-lhes a chance de se mostrarem como um, e não como meramente criminosos.

Por esta razão, "A Sangue Frio" pôs em questão o debate acerca do sistema carcerário americano, porte de armas, cobertura midiática sensacionalista e a crise da violência no EUA. Capote, ao produzir tamanho clássico, utilizou-se da linguagem da literatura e das ferramentas do jornalismo para retratar fragmentos da realidade americana da época.